segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

A Aposta de 2012!


“Você é a minha aposta de 2012” escutei essa frase de uma boca entusiasmada que sorria sem razão aparente dias antes da virada do ano.
Duas semanas se passam...
Eu te ligava e você já me atendia sem emoção, diferente de dias atrás... Fingindo que não havia percebido continuei ligando por alguns dias, tentando entender o que estava acontecendo de verdade...
E uma sexta à noite perguntei:
- Vamos nos encontrar no final de semana?!
- Acho que será difícil, porque tenho uma viagem com meu primo, mas ainda não sei direito... – respondeu de pronto, como se já tivesse montado a resposta mesmo antes de eu pensar em perguntar.
- Então quando tiver a confirmação me avisa... – Insisti educadamente.
- Ok! – Foi a resposta.
Parei de ligar... Nenhuma resposta obtive no sábado, nem no domingo, muito menos na segunda.
Terça à noite resolvi ligar: “oi, boa noite, como você está?” fui direto ao um ponto crítico que fiquei pensando durante o final de semana, já que o fim já estava decretado pelo silêncio dos dias anteriores “Ei preciso dos meus óculos que esqueci na sua casa” e em resposta “tudo bem, pode vir pegar”.
Explicando: Primeiro o óculos é caro e eu não podia simplesmente deixar pra lá e, em segundo, tem todo um valor sentimental porque tinha sido presente, então tive que pedir de volta.
Cheguei na hora marcada e liguei da calçada do prédio “estou aqui na tua porta” e ele “você se importa se minha mãe te entregar, é porque estou com uma bolsa de gelo no joelho...”, respondi meio incrédulo com a situação “Tem certeza?! Pensei que você fosse me entregar pessoalmente...” e ele “você faz questão mesmo?!” e soltei “não, tudo bem, estou esperando sua mãe aqui”.
Recebi os óculos pelas mãos da mãe dele que me convidou nervosamente para subir, mas foi negado educadamente por mim... Agradeci e dei de calcanhares voltando para casa com a certeza de que aquela frase que me foi lançada com tanta vontade foi só uma “explosão do momento” ou mesmo uma forma de soltar um charme com uma cantada que, certamente, muitos devem escutar.
PS: Poucos dias depois uma atualização surgiu na minha timeline do Facebook, eis que o seu ex havia voltado da tumba... E mais uma vez percebi que com ex dos outros não se brinca.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

O Príncipe Encantado!


Eu posso dizer que conheci muita gente, tive alguns relacionamentos, me interessei por poucos, namorei um, tive “esquema sério” com outros, chorei pelos “certos” e “errados”, fiz gente chorar, e finalmente percebi que:
Todo mundo procura o príncipe encantado, mas poucos se preocupam em ser o príncipe de alguém.
Eu me preocupei em ser o príncipe de alguns, mas agi de forma errada, hoje eu vejo isso, porque acabei me anulando pelo “bem” da relação, tentei ser o melhor namorado/esquema, busquei uma sensatez que não era da minha idade, me desculpei quando na verdade devia ter brigado, fui fiel, gastei toda minha alegria (que não era pouca) em um relacionamento sem sentido, liguei, mandei torpedos românticos (sou desses), dei presentes... Resumindo tentei dá o melhor de mim e o que recebi em troca foi:
Fui trocado (ex-namorado ressurgindo da tumba, novo esquema surgindo para me passar a perna), fui traído inúmeras vez (sim fui corno e quem nunca?!), a criatura sumiu/despareceu sem motivo aparente e por aí vai a lista de acontecimentos...
Eu sei que esse não é um comportamento geral, até porque encontrei gente de bem no meio do caminho, mas por um motivo ou outro não “vingou”, alguns marcaram profundamente, outros nem lembro o nome.
Também fiz gente chorar, “esquecendo” de ligar, sumindo e não dando notícia, fiz cara de paisagem quando vi aquela ligação do não-sei-quem-zim no celular, mas tudo isso só passou a acontecer depois dessa avalanche de “relacionamentos” ruins que tive e que aprendi muito com eles, aprendi a ser mais cauteloso, frio até em alguns casos e, sim, fui o cafajeste de alguém, assim como muitos foram os meus nos últimos anos.
Mesmo depois de tudo o príncipe que todos procuram, mas poucos querem ser, continua aqui segurando as rédeas do cavalo, cauteloso, analisando toda a situação, pensando se vale realmente à pena, se valer chego rapidinho, caso contrário vou cavalgar em outro pasto verdejante, cultivando ainda comigo o otimismo.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Aconteceu, virou manchete!


Nesse tempo que passei fora, sem postar, eu fiquei:
Lendo, escrevendo e por fim apresentando o meu projeto de mestrado (sim sou mestrando... muáaahhhh), ou seja, tempo ZERO!
Por mais que o povo pense que eu só faço uma coisa: Nada, eu digo que até faço muita coisa, porque teve além do trabalho “normal” do mestrado...
Tiveram aniversários para comparecer e alegrar os participantes, onde teve um que foi surpresa, aliás, quase matamos a aniversariante de susto... Opss... I did it again...

 
Fui conhecer a “rua do pecado original” em um sítio super charmoso na serra...
 Teve viagem para a Europa cearense pra passar aquele frio gostoso, só que ao contrário...
 Teve baile de máscaras... 
 Onde tentaram me roubar um beijo e eu fiz a Amy Winehouse e disse “no, no, no”... No mesmo baile teve boy magia tentando me seduzir e eu caí lindooo, ou seja, muitos beijos na boca! 
 
Teve PS3 onde um amigo e eu fizemos uma mega performance de “beautiful liar” que foi digna da Bey e da Shak, mas que só mostro as fotos no dia que eu for convidado para bailar no balé bolshoi, ou seja, NUNCA!!
 Teve bloco de carnaval com direito a trio elétrico com Geraldo Azevedo.
 Tiveram perguntas do tipo: “Você gosta de cobra ou de aranha?”, “Por que você não quer me beijar?”
 
Um esquema parou de me ligar (tomou chá de sumiço) e quando fui descobrir (sempre descubro tudo) eu tinha sido trocado pelo ex que reapareceu só pra sambar na minha cara...
 Teve zisbilhões de gaitadas altas e claro muito charme e sensualidade, né?!