sábado, 18 de julho de 2009

Só ele: O Amor!!!

Passei horas em frente ao computador tentando escrever algo interessante sobre esse tema tão discutido e vivido, sim por que todo mundo irá vivenciar o amor pelo menos uma vez na vida, seja o lado bom, o lado ruim ou os dois.
Escutei músicas e li textos sem sucesso, mas vagando pela internet encontrei a definição, segundo o dicionário Aurélio, para o amor e lá está como “afeição viva por alguém ou por alguma coisa”. “POUCO! Quero algo mais claro e completo!” pensei. Fui procurar a definição de “afeição” para tentar complementar a definição anterior e eis que encontro no próprio Aurélio “afeto, amizade, amor”, ou seja, voltei ao ponto de partida.
Vagando mais uma vez por essa internet achei um texto fantástico da Clarice Lispector que aprendi a apreciar graças a uma pessoa que amo e que me apresentou a ela da maneira mais doce: recitando seus poemas.

“(...) Já passei noites chorando até pegar no sono, já fui dormir tão feliz, ao ponto de nem conseguir fechar os olhos.
Já acreditei em amores perfeitos, já descobri que eles não existem.
(...) Já fingi não dar importância às pessoas que amava, para mais tarde chorar quieta em meu canto.
Já sorri chorando lágrimas de tristeza, já chorei de tanto rir.
(...) Já tive crises de riso quando não podia.
(...) Já senti muita falta de alguém, mas nunca lhe disse.
Já gritei quando deveria calar, já calei quando deveria gritar.
Muitas vezes deixei de falar o que penso para agradar uns, outras vezes falei o que não pensava para magoar outros.
Já fingi ser o que não sou para agradar uns, já fingi ser o que não sou para desagradar outros.
Já contei piadas e mais piadas sem graça, apenas para ver um amigo feliz.
(...) Já sonhei demais, ao ponto de confundir com a realidade... Já tive medo do escuro, hoje no escuro "me acho, me agacho, fico ali".
Já cai inúmeras vezes achando que não iria me reerguer, já me reergui inúmeras vezes achando que não cairia mais.
Já liguei para quem não queria apenas para não ligar para quem realmente queria.
(...) Já chamei pessoas próximas de "amigo" e descobri que não eram... Algumas pessoas nunca precisei chamar de nada e sempre foram e serão especiais para mim.
(...) Não me mostre o que esperam de mim, porque vou seguir meu coração!
(...) Não sei amar pela metade, não sei viver de mentiras, não sei voar com os pés no chão.
Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra SEMPRE!
Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais amargas, (...), das idéias mais insanas, dos pensamentos mais complexos, dos sentimentos mais fortes.
Tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos.
(...)”
Clarice Lispector
Todos os trechos que deixei do texto correspondem a momentos que já vivi.

8 comentários:

Gabriela Pinheiro disse...

Nossa... sabe quando vc ler uma coisa e se identifica?! Pois é assim q me sinto... Emocionada ainda... =P

Na Casa Dele disse...

Olá,
está afim de parceria para troca de link
entre em contato
http://nacasadele.blogspot.com/
abraços e sucesso!
Bjocas
A.

Rafa disse...

Olha meu amigo,você foi muito corajoso ao tentar definir o que simplesmente não tem definição.Só sabe quem já sentiu(é um sentimento fodástico,acho que já o experimentei de uma forma boa(recíproco)e de uma forma ruim (dessa sem comentários ¬¬).Tem uma música do Chico em parceiria com Tom(olha a intímidade) que acho espetacular,na qual os dois experimentaram o amor,mas pra ela o amor chega ao fim...quero compartilhar a letra:


Ah, se já perdemos a noção da hora
Se juntos já jogamos tudo fora
Me conta agora como hei de partir

Se, ao te conhecer, dei pra sonhar, fiz tantos desvarios
Rompi com o mundo, queimei meus navios
Me diz pra onde é que inda posso ir


Se nós, nas travessuras das noites eternas
Já confundimos tanto as nossas pernas
Diz com que pernas eu devo seguir


Se entornaste a nossa sorte pelo chão
Se na bagunça do teu coração
Meu sangue errou de veia e se perdeu


Como, se na desordem do armário embutido
Meu paletó enlaça o teu vestido
E o meu sapato inda pisa no teu


Como, se nos amamos feito dois pagãos
Teus seios inda estão nas minhas mãos
Me explica com que cara eu vou sair


Não, acho que estás só fazendo de conta
Te dei meus olhos pra tomares conta
Agora conta como hei de partir

Vanderson disse...

rafa...
só uma coisa: concordoo!!
naum poderia eu um simples
estudante de engenharia definir
tal sentimentoo!!naum mesmo!!
tombou total viu esse comentário!!!
heheheheheeheh!!!bjoo!

Rafa disse...

Eu tô aqui é pra chocar mesmo!
kkkkkkkkkkkk
A gente se passa ,mas se diverte!

Glauber P. disse...

kkkkkkkkkkk]
adooro
tombei tbm!

hauahuahahu

Lindo Rafa, lindooooo

=*

Rafa disse...

Não chore não!
rsrsrrsss

axey disse...

... ate então situaçoes em consequencias de um vacuo no qual se identifica a poetisa, onde oq realmente se enquadra é um identidade unica d AMAR sendo assim;"Todo momento de achar é um perder a si mesmo"
É isso ai
CLARICE LISPECTOR